quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

E se fosse ao contrário?...


De vez em quando a questão da violência doméstica é notícia nos jornais. Quase sempre tendo mulheres como vítimas. Até porque alguns estudos revelam que mais de trinta por cento das mulheres são agredidas pelos maridos ou companheiros e que cerca de noventa e três por cento dos crimes de violência doméstica são praticados contra as mulheres.

Mas os casos que vêm a lume são uma pequena parte do problema, dado que só cinco por cento das situações chegam ao conhecimento público. Apesar de tudo as denúncias têm vindo a aumentar nos últimos anos. Isto porque já não colhe a justificação dada antigamente na urgência do hospital que a mulher tinha tropeçado num ácaro do tapete e batido com a cara na esquina da cómoda do quarto e, por outro lado, as vítimas cada vez estão mais conscientes dos seus direitos e têm mais opções de apoio social e segurança financeira.

A ideia para este ‘post’ surgiu-me em Barcelona quando, há cerca de um mês, abri o jornal Metro e deparei com esta pequena notícia:


E, então, pensei: e se fosse ao contrário?... Ou seja: e se as mulheres não tivessem receios e denunciassem todos os crimes de violência a que são sujeitas em casa? e se as polícias e os tribunais funcionassem correctamente e a tempo? Talvez, então, os casos de violência doméstica diminuissem bastante por uma de duas razões, ou até por ambas: os agressores, maridos ou companheiros, estariam na prisão durante uns meses ou tomariam consciência cívica do respeito que é devido às mulheres.

14 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

Grande Nandokas!

Eu possuo tolerância zero em relação à violência, excepto se for utilizada em casos de legítima defesa.

Acho que isso de esperar pelos tribunais favorece muito o agressor.

Penso que as mulheres deveriam saber um bocadinho de artes marciais, para poderem pregar uma pequenina surpresa aos falsos machos que andam por aí...

CSD

nandokas disse...

Olá Cláudia,
A defesa com uso de artes marciais é outra opção a considerar pelas mulheres.
Mas, creio, que não invalida o recurso à polícia e aos tribunais. E o problema reside aqui, pois as autoridades não actuam bem nem a tempo.
Beijinho.

pin gente disse...

olá nandokas
seguramente um tema polémico.
conheço casos de violência verbal e emocional que também trágicos resultados... por vezes até piores que alguns dos físicos!
o medo da denúncia, vem pelo medo de represálias, pela "vergonha"... e todas atenuariam se as autoridades agissem com rapidez e firmeza.


um abraço

nandokas disse...

Olá Luísa,

Tens razão quanto ás situações de violência verbal e emocional, que, para além das suas consequências, trazem ainda mais dificuldades às vítimas para as suas denúncias.

E, apesar de haver alguns casos de homens como vítimas, se alargarmos o âmbito destas às crianças, aos idosos e aos deficientes [que, por opção, não considerei neste 'post'], então o panorama da violência doméstica fica ainda mais sombrio.

Beijinho

redonda disse...

Às vezes o problema é outro: apenas as mulheres são testemunhas e no julgamento têm a opção de não prestar depoimento e é o que fazem (porque se reconciliaram, porque acreditam que vai ser diferente, pelo que for...). Sem prova, o arguido é então absolvido.
Também me parecem terríveis os crimes cometidos contra vítimas mais frágeis e indefesas e já pensei que a resposta poderá passar por todos nós, ou seja, em sermos mais curiosos e interventivos, a contrariar o velho ditado "entre marido e mulher não metas a colher", procurar saber o que acontece, denunciar e testemunhar (apesar do risco de apanharmos nós com a colher em cima).

nandokas disse...

Olá Redonda,
É certo que também há esse lado do problema, mas, embora na maioria dos casos as mulheres sejam as únicas testemunhas, creio que o panorama desta questão estaria muito melhor se as autoridades policiais e judiciais agissem de outro modo e a tempo.
Beijinho

redonda disse...

E então não seria hora de deixar de ser preguiçoso e escrever outro post?
É que já vim aqui algumas vezes e nada!
Se isto continua assim, vou pedir o livro de reclamações!
(ah é verdade, no meu caso tenho uma dispensa de "postar" por longos períodos, por isso é tipo"olha para o que eu digo e não para o que eu faço" :))

pin gente disse...

ó nandokas!
não me digas que a tripp-trapp passou a ser mais importante que o blog!

vim deixar um beijo
luísa

nandokas disse...

Olá redonda,
E não é que tens um pouco de razão?
Tem havido alguma preguiça cá do "je", mas também ando preocupado com a minha mãe que está internada.
Mas, creio, dentro em breve voltarei às tretas...
Beijinhos

nandokas disse...

Olá Luísa,
Sabes, a cadeira é importante e o blogue também é importante. Mas nas últimas semanas tenho andado numa 'fona' [não sei se o termo é tripeiro, mas o que quero dizer é que ando de um lado para o outro, agora por causa dos netos, depois para ir ao hospital dar apoio à minha mãe,etc]. E com um bocado de preguiça à mistura... pronto, não tenho 'postado'!
Mas em breve voltarei às tretas.
Beijinho

Gigi disse...

Então... votos de melhoras para tua mãe.
:-)

Sílvia disse...

As melhoras da tua mae! Beijinhos. Silvia

redonda disse...

Espero que a tua mãe logo, logo fique bem.
um beijinho
Gábi

Eira-Velha disse...

Então?
Desaparecido?
Estamos esperando :)