domingo, 2 de dezembro de 2007

Chegou o Pai Natal!



Chegou ontem, a meio da tarde, ao Dolce Vita do Porto. Chegou vindo dos céus, instalado num balão de ar quente.

Balão de ar quente, estais a ver?... Quem imaginaria isto há alguns anos, no tempo em que o Pai Natal chegava de trenó puxado por renas! A tradição já não é o que era…

O neto de três anos [que tinha ido lá apenas para ver o repuxo de água subir, subir… subir quase até ao tecto, e depois brincar no escorrega do parque] também foi uma das testemunhas da chegada do Pai Natal. E logo o neto, do alto do seu metro e pouco, ao vê-lo de longe, disse:

- Não pa'ece o Pai Natal, é muito pequenino!


12 comentários:

redonda disse...

E eu perdi :(

nandokas disse...

Olá redonda,
Foi pena! Mas não fiques triste, porque nos próximos haverá outras chegadas do Pai Natal. O marketing dos centros comerciais a isso obriga, não é? :)

mfc disse...

A pequenada adora... e a comercialite agradece!

Sílvia disse...

No meu tempo (hihihi) era muto raro avistarmos o Pai Natal, ora se era. Meninos e Meninas, quando eu era muito canita, so me lembro de o ver em Lisboa, junto a Praça do Rossio. Num dos passeios da tarde com a minha mae(sim, eu sou Alfacinha). Mal o vi comecei a travar e a tirar medidas. Hummm aquilo nao era normal. O homem veio logo ter comigo. O parvo. Queria dar-me um balao. Dar um balao? hummm, nada disso! Berraria. Eu gostava muito do Pai natal, mas achava que era tao boazinha, mas tao boazinha, que ele me queria levar para o ajudar, la na Laponia... Ah pois, mas nunca mais vi nenhum ;))

pin gente disse...

estariam as remas em greve?
às tantas andam lá pela lapónia com cartazes a dizer mal do pai natal!!!

hohoho

nandokas disse...

Olá mfc,
É isso mesmo. Mas, sabes, há graúdos que também gostam [eu incluído, apesar de ser mais adepto do trenó e das renas...].
Um abraço.

nandokas disse...

Olá Sílvia,
Pois... não viste mais nenhum Pai Natal, dado que não quiseste ir para a Lapónia, nem vieste cá ao Dolce Vita. :)
Beijinho.

nandokas disse...

Olá Luísa [pin gente],
Às tantas és capaz de ter razão... E a ser verdade, onde já se viu 'remas' a fazer greve? Só na Lapónia, só pode!

PS: Creio que já descobri porque não utilizas o meu nick e chamas-me de mandokas - o tal 'homem das docas'. Deve ser pela mesma razão porque acima escreveste 'remas' e não 'renas'. Às tantas é o teu dedo indicador que gosta mais do mê do que do nê, certo? :)

pin gente disse...

ahahahah (ri-me a bom rir)
olá nandokas
olha aqui está u(n)a boa explicação...!!!
além da dislexia (que devo ter nos dedos e não só), da pistosguice, da aceleração constante (movimento uniformente acelerado o meu)... soube hoje que gosto mais do mê que no nê...
boa!
bingo!

beijo (ainda bem que não há m nem n)
luísa

nandokas disse...

Olá Luísa,
Gostei mais uma vez do teu comentário e... até me ri só de te ver rir!
E, devido ao mê em vez do nê, andamos num 'agora diz lá tu que depois digo eu', isto está quase a tornar-se uma desgarrada... [não poética, claro!...].
Beijinho.

pin gente disse...

lá por isso, siga a roda
e a versejar se passa
troquei-te o nome, desculpa
dá-me c'o rolo da massa

desgarrada ele há muitas
seja em verso ou em prosa
se gostares da minha forma
tens que me dar uma rosa

nandokas, eu te prometo
sem te fazer uma jura
que o teu nome não troco
ando eu bem mais segura

a culpa é da caneta
ou da minha mão mais destra
uma borra ou despacha
a minha escrita mestra

que convencida que sou
rimar era o que queria
os piropos que me dou
são só pura poesia

amanhã cá voltarei
para ver se há resposta
seja em prosa seja em verso
de certeza que se gosta

beijinho
(à espera de resposta 21 ou 22?)
luísa

nandokas disse...

Olá Luísa,

Do que estás à espera
A resposta já te dei
Se fores ao teu blogue
Saberás o que pensei

E em verso não escrevo mais nada [até sinto vergonha do que está acima...], pois acho que para isto não tenho jeito.

Adorei os versos que aqui deixaste e, portanto, aqui vai:
...
a rosa que te dou

Beijinho.