sábado, 11 de abril de 2009

E as emoções fizeram o resto...


Ontem à noite meti-me a caminho pela autoestrada da blogosfera e só parei em Aveiro. Rumei de imediato à única padaria que utiliza a verdadeira farinha amparo. Estava por lá a padeira de serviço, a Didas. Fui encontrá-la ainda na ressaca de um ataque de nostalgia sofrido no dia anterior. E ainda bem, digo eu.

E digo ainda bem porque, desse modo, tive a oportunidade de saborear quatro mimos que lá estavam [e ainda estão] à disposição de quem por lá passa e de borla. A saber, pela ordem que nos aparecem:
-> O que faz falta, do Zeca Afonso
-> Eu vim de longe, do José Mário Branco
-> Gaivota, da Ermelinda Duarte
-> Quatro quadras soltas, do Sérgio Godinho


São quatro canções que conheço há muitos anos, mas que me dizem muito. E que, ao ouvi-las, fizeram-me sentir bem, mexeram com a apatia em que me enredei nestes últimos dias. De auscultadores e olhos fechados, aquelas músicas e aquelas palavras inebriaram-me, tiveram o condão de me fazer recuar trinta e cinco anos. E, então, as emoções e as recordações daqueles tempos soltaram-se, vieram por ali fora, deram-se as mãos, tomaram conta de mim, rodopiaram em mim. Mas, com tudo isto à solta, os seus efeitos não demoraram muito. Era a companhia suave da descarga emocional, as comportas dos olhos abriram-se de par em par e as lágrimas caíram-me pela cara abaixo... Lágrimas ou recordações? Não sei dizer, não as distingui bem, às tantas eram lágrimas e recordações a desabarem juntas por ali abaixo... Mas, no fim, estava feliz, de bem comigo próprio e, creio, de bem com os outros...

Deixei um comentário no post da
Didas, mas não me referi aos efeitos da descarga de emoções. Não foi por vergonha ou para não me considerarem um lamechas. Não, não foi por isso. Foi apenas porque aqui, no meu sítio, sinto-me mais à vontade em desabafar, em expressar o que sinto, o que me faz feliz ou o que me torna triste.

Para ti, mais uma vez: obrigado, Didas!

E nos dias que correm, talvez sempre, é necessário lembrar que, como diz o Zeca Afonso, "o que faz falta é acordar a malta..."

4 comentários:

Didas disse...

Oh Nandokas, não tenhas problemas. Eu mesma sou uma chorona sem remédio. Choro desalmadamente a ver um filme ou a ouvir uma canção com a mesma facilidade com que me perco a rir com uma piada!
Beijinhos!

pimentinha37 disse...

Belo post, bonita amizade, óptima escolha musical! Terça já vens às aulas? ;)

nandokas disse...

Olá Didas,
Pois... de lágrima fácil, não é?
Obrigado pelas tuas palavras.
Beijinhos

nandokas disse...

Olá pimentinha,
Fico feliz com a tua visita e grato com as tuas palavras.
E terça lá estarei, já estou com saudades, de ti e de todos.
Beijos