domingo, 5 de abril de 2009

Mudanças... talvez!


A propósito dos dois textos relativos ao desafio ali em baixo [e de outros que coloquei desde o início do blogue], acho que necessito de ser comedido nas palavras. É que, reconheço, muitos deles são extensos. Com tretas a mais. Que levam tempo em demasia a serem lidos. Tempo precioso para quem se enredou no corre-corre do dia-a-dia. E que talvez sejam maçadores para quem aqui chega.

Deixo-me levar pela inclusão de descrições e de detalhes que aumentam as linhas do texto e que, quase sempre, poderiam ser dispensados. E a sua falta não comprometeria a compreensão do que pretendi transmitir, quer tenham sido factos, ideias ou parvoíces. No fundo, é como se alguém pretendesse ir das Antas à Foz e, para isso, fosse para sul pela Via de Cintura Interna, tivesse atravessado para o lado de Gaia pela Ponte da Arrábida e, depois, voltasse ao Porto pela Ponte D. Luís, tomass e o rumo da Âlfandega e, então, percorresse a marginal até à Foz. O passeio é agradável [desde que não seja feito em horas de ponta], mas nada interessa a quem quer ir apenas das Antas até à Foz.

E, deste modo, talvez hajam mudanças na feitura dos posts futuros. Há, pelo menos, o propósito que sejam mais curtos e directos [mas, por motivos óbvios, este ainda não conta...]. Até porque, assim, talvez me permita atingir o objectivo de, até ao final deste ano, publicar o post com o número 1.000.000 [aos primeiros duzentos já cheguei...].

A ver vamos, tá?

4 comentários:

Gigi disse...

Compreendo o teu ponto de vista mas acho que devias escrever como te apetece, como sentes, porque é assim que deixas a tua marca.
Mas, eu também compreendo que o autor não pode criticar o que escreve e se tu próprio te criticas achando que deves mudar, então... força!

Beijinhos

nandokas disse...

Olá Gigi,
Do propósito já não me livro. :)
[mas os prognósticos são apenas no fim...]
Beijinhos

pimentinha37 disse...

Gostei da viagem das Antas até à Foz... A nossa terra tem muito de bonito e para apreciar, essas vistas, os tripeiros, o Douro entre outros... Suspiro muitas vezes quando viajo e passeio sem pressa de chegar ao fim... Boas férias!

nandokas disse...

Olá pimentinha,
É [quase] sempre bom quando não há pressa de chegar ao fim...
[e quando o fim chega é [quase] sempre bom...]
Beijinho